Grito de Alerta

Brasil frustra torcida e sai vaiado após empate com a Holanda

Frustrante! Assim foi a estreia nacional da Seleção Brasileira de Mano Menezes. Na tarde deste sábado, no estádio Serra Dourada, em Goiânia, o empate por 0 a 0 no amistoso contra a Holanda deixou o torcedor sem o gosto da revanche da eliminação na Copa do Mundo de 2010 e com o grito de gol entalado na garganta. Garganta essa que ao final da partida soltou vaias e gritos de “timinho”.

Com mais de 36 mil pessoas presentes, a Seleção Brasileira de Mano Menezes viveu todas as experiências comum à ela em sua estreia no Brasil: vaias, aplausos, cobranças, pedidos... Mas dentro de campo, a ressaltar, uma marca importante foi atingida pelo zagueiro Lúcio: 100 jogos com a camisa amarelinha. E negativamente fica como destaque a expulsão do volante Ramires.

Sim, era um amistoso, mas o clima de revanche da Copa do Mundo apimentou o clássico desde o início. Logo de cara, Ramires levou entrada dura de De Jong (assista no vídeo ao lado). Mais adiante, o próprio volante brasileiro acertou Robben. Não à toa, o número de cartões amarelos no primeiro tempo (três) foi alto para um jogo amigável.

A tensão maior, na verdade, era da Seleção Brasileira. Talvez pela pressão de ter de mostrar um bom futebol diante de sua torcida. Erros bobos de passe marcaram o jogo do Brasil na etapa inicial. E deram à Holanda espaço para levar perigo ao gol de Julio César, o destaque verde e amarelo nos primeiros 45 minutos.

VAIAS
Quando as jogadas brasileiras passavam pelos pés de Neymar e Robinho, até era possível ver algo diferente, uma tentativa mais ousada, um drible... Mas a falta de um armador de origem pesou. E muito. Tanto que a torcida pediu a entrada do garoto Lucas, do São Paulo, ainda com o primeiro tempo em andamento.

Foram apenas dois os lances de perigo do Brasil na etapa inicial. Um gol bem anulado de Ramires, após tabela de Neymar com Robinho. E um chute do volante de fora da área. Os holandeses ameaçaram com arremates de fora da área de Affelay. Insatisfeita, a torcida de Goiânia, que apoiou bastante nos treinamentos durante a semana, não perdoou e vaiou o time de Mano Menezes.

2º TEMPO
O técnico da Seleção Brasileira não cedeu à pressão da torcida. Voltou para o segundo tempo com a mesma formação. Mas a postura dos jogadores melhorou. Elano, por sinal, resolveu aparecer mais. Neymar também. O garoto levou os torcedores à loucura com duas boas finalizações. Pena que o goleiro Krul salvou.

Só que os goianos queriam mesmo era ver o são-paulino Lucas em campo. E pediram sua entrada mais uma vez aos seis minutos. Sem mudanças, a impaciência da torcida só aumentava. E aos nove sobrou para Fred. “Tira o Fred, tira o Fred” era o grito da galera, que logo na sequência seguiu pedindo o garoto Lucas.

Mas a postura ofensiva do Brasil transformou a impaciência dos torcedores em euforia. Neymar tentou, Robinho arriscou, Fred cabeceou... E a Holanda recuou. Pressionada pela rapidez brasileira, a equipe europeia se assustou. Até porque a Seleção finalizou em 15 minutos muito mais do que no primeiro tempo inteiro.

Aos 18 minutos, Mano atendeu ao pedido da torcida por Lucas e sacou Elano. O garoto, empolgado, chamou o jogo. Levantou o braço, pediu a bola e foi para cima dos holandeses. Aos 29, o técnico atendeu outra solicitação dos torcedores, tirando Fred para entrada de Leandro Damião. O jogador do Fluminense saiu vaiado.

EXPULSÃO
Uma pena que uma entrada dura de Ramires em Robben, aos 32 minutos, brecou a ascensão do Brasil na partida. Como já tinha cartão amarelo, o árbitro paraguaio Carlos Amarilla aplicou o cartão vermelho (assista no vídeo ao lado).

Mesmo com um a menos, a Seleção Brasileira ainda teve chance de inaugurar o marcador com uma bomba de fora da área de Sandro aos 38 que acabou sendo bem defendida por Krul. Nos minutos finais, a equipe controlou a partida e segurou o 0 a 0 em seu debute nacional na era Mano.Pe360graus